O que tem debaixo dos caracóis dos seus cabelos? VOCÊ!!!! – por Camila Moreira – Psicóloga CRP 06/123888

Nos último tempos venho me surpreendendo com a quantidade de crianças e adolescentes assumindo seus cabelos ondulados, cacheados ou crespos naturais.

No meu último passeio a um shopping , observei muitas garotas com seus lindos cabelos crespos esbanjando beleza por ai. Eram grupos de meninas de todas as idades dos 13 aos 18 anos.

A cada cabelo “Black Power” que eu olhava, mais admirava a beleza e a coragem daquelas garotas em assumirem ser quem são. Estavam ali, representando elas mesmas. Representando uma geração que quer se assumir. Quer liberdade de expressão. Mulheres que não querem se submeter a um padrão imposto.

girl-945765_1280

O padrão é serem elas mesmas! Como no trecho da música Máscara da Pitty: “O importante é ser você”.

Essas imagens evocaram em minha memória, lembranças da minha infância e adolescência. Eu sempre tive cabelo cacheado. Era (e ainda é) muito cabelo. Um dos meus primos me apelidava de Gal Costa, cantava pra mim: “Meu nome é Gal. Meu nome é Gaaaalllll.” Eu, claro, naquela época  detestava ser comparada a ela. Vivia brigando com ele. Era pequena e não tinha maturidade suficiente para entender que ser comparada com a Gal deveria ser um grande privilégio. Uma das mais belas vozes do Brasil, suas músicas falam das belezas naturais, do Brasil, de Amor e das Mulheres. Já nos anos 80, representava a verdadeira mulher brasileira.

Era realmente difícil assumir o cabelo que eu tinha. Queria cortar franja, como minhas amigas, e cortei. Mas a franja enrolou e foi parar no meio da testa. Queria cortar o cabelo no ombro e cortei. Mas ele ficou armado, parecendo um abajour. Queria fazer muitas coisas e fazia. Mas o resultado não me agradava.

Na adolescência cheguei a pensar que não conseguiria arrumar nenhum namorado por causa do meu cabelo (grande engano). Por isso, fiz algumas químicas, para alisar um pouco, ainda assim, não me sentia bem. Passei a dizer para todo mundo que eu queria ter nascido com o cabelo liso, como não nasci, iria assumir o cabelo que tinha. Mesmo assim, adorava olhar as mulheres de cabelo liso, passar a mão em seus cabelos sedosos. Enquanto no meu, os dedos enroscavam nos nós que ele dava.

Foi difícil, mas eu não desisti e gastei muito dinheiro com cremes e produtos para domá-lo. Porém, sentia-me sozinha nessa estrada de assumir meu cabelo natural. Era difícil encontrar algum cabeleireiro, por exemplo, que soubesse lidar com meu cabelo cacheado. Eles logo me perguntavam se eu não queria alisar. Também era difícil encontrar meninas que gostassem de seus cabelos cacheados e quando encontrava, pouco tempo depois já estavam alisados.

O tempo foi passando e eu convivendo com as dificuldades. Amando o cabelo num dia e detestando no outro.

Há uns dois anos, num momento de transição da minha vida e ainda vendo a quantidade de mulheres de cabelos lisos, eu pensei em alisar. Achei que era a hora de assumir um cabelo liso e me sentir realmente feliz comigo. Foi quando, numa tarde de domingo, encontrei na internet uma Youtuber já muito famosa no mundo dos cachos, Rayza Nicácio.

Rayza criou um canal no Youtube em Fevereiro de 2011, hoje já possui mais de 1 milhão de inscritos. Nos seus vídeos, conta sua história de aceitação do cabelo crespo. Também fornece dicas de como cuidar dos cabelos, quais produtos usar, qual penteado fazer, etc.

Enfim… foi amor à primeira vista. Desde então, venho acompanhando ela e outras blogueiras cacheadas que me ajudam a entender e assumir cada vez mais o meu cabelo.

curly-hair-1806272_1280

E tenho certeza que foi essa onda de aceitação divulgada pela Internet que tem incentivado milhares de garotas a assumirem seus cachos, a espalharem a beleza cacheada e crespa que vem da nossa raiz negra.

Esse é um ponto positivo da Internet, a possibilidade de qualquer um dividir sua história e buscar motivação ao ajudar. É uma via de mão dupla, elas se ajudam e ajudam aos outros.

A reflexão que quero deixar é: Não importa o padrão que a sociedade te imponha. Não importa se o seu cabelo é liso ou crespo. Ser você é muito melhor e mais fácil do que tentar ser o que você não é.

Isso não se resume apenas ao cabelo, mas à cor de pele, ao formato do corpo, classe social, orientação sexual e tudo o mais que faz você ser quem realmente é.

beautiful-women-1806280_1280

Pense nisso e….assuma-se!!!!

Abraços Coloridos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s